Archive for Julho 2014

Reviews do Tio Donald: Megaranger

By : RodrigoPatoDonald
Megaranger: As Batalhas na Era da Internet.




Foi uma jornada rápida de 5 dias que assisti Megaranger. A série te prende de uma maneira sem precedentes. Muita gente subestima essa série. Colocam séries super-estimadas como Dairanger e Jetman como as melhores dos anos 90. Com sinceridade, quem fala isso, provavelmente irá rever seus conceitos depois que conhecerem essa MARAVILHOSA série chamada Megaranger. Não vou tirar os méritos de Dairanger e Jetman, claro, visto da importância delas para a década de 90 e a franquia. E sem falar que devemos levar em conta uma coisa: cada série possui a sua particularidade. Seu ponto forte e seu ponto fraco. Não acho justo chegarem num fórum, num blog ou grupo do Facebook dizendo: "Jetman e Dairanger são os melhores da década de 90!" e ficam impondo como verdades absolutas. Como falei, não nego a importância dessas duas séries para a franquia nessa conturbada década. Mas, ao meu ver, analisar Megaranger me fez ver qualidades que superam com maestria esses dois sentais em qualidade.

Um dos pontos fortes de Megaranger foi uma história concisa e consistente, com um roteiro simples que possui começo, meio e fim. Isso foi legal. Vimos em Megaranger, a exploração da acensão da tecnologia e da internet (que no Japão, naquele ano, já estava em alta) com maestria. Os símbolos dos heróis  (o Computador, o Satélite, a TV, a Câmera Digital e o Celular) retratam claramente a acensão desse avanço da tecnologia (japonesa). Vimos o empenho de divulgar novos aparelhos japoneses, que fizeram a cabeça daquela juventude naquele ano. Para isso, precisou se levar em conta o tema colegial. Claro! Se for falar do futuro, o mais legal seria usar personagens jovens, que estão no esplendor da juventude. Por causa disso, o quinteto é formado por 5 estudantes colegiais (lembrando e MUITO a temática usada em Turboranger) com cada um com sua característica. 

Vimos em Kenta, o irresponsável e impulsivo Red. Na minha opinião, ele foi o personagem com o menor grau de evolução de caráter. Ele começou de um jeito e terminou do mesmo jeito. Admito que ele tinha muita força de vontade e senso de justiça, mas, ele passou a série inteira fazendo burradas e terminou desse jeito. Para ele, enfrentar Nezeriza era mais uma diversão do que um senso de dever a ser cumprido.

Vimos em Keichiro, o mais alto, forte e belo fisicamente. E o único com senso de responsabilidade da equipe. Ele começou de um jeito. Sendo o certinho, responsável e perfeito. Por causa desse senso de responsabilidade (o mais sério da equipe), era óbvio que ele seria o escolhido para ser o líder. Ele se tornou um líder natural e cobrava responsabilidades para a equipe. No final, mesmo mantendo a personalidade séria, saiu um pouco daquela pose de "menino certinho" (principalmente em um dos episódios finais, onde ele mata aula para ensinar o irmão a jogar futebol).

Miku era a menina preguiçosa e comilona. Até que ela era inteligente, mas sua preguiça era maior. E comia MUITO! Era a mais propensa a engordar. Não era vaidosa. Matava MUITA aula para poder comer e dormir. Provavelmente (eu disse. PROVAVELMENTE), Miku tenha sido inspirada descaradamente na personagem Usagi Tsukino da série de mangá Sailor Moon, de Naoko Takeuchi. Ela termina como uma personagem séria e responsável, levando os estudos e a sua missão a sério. Totalmente o oposto do que foi no início.

Já Hayakawa entrou na metade. Um cientista genial, com um senso de humor, digamos, duvidoso. Mas, que vai se tornando mais sério a medida que a luta contra Nezirezia vai se intensificando. Haikawa foi um dos muitos "sexto integrantes" que apareceram de repente e possui sua participação reduzida a medida que os episódios avançavam. Achei isso meio que uma injustiça, mas, que foi necessário para focar nas mudanças do quinteto principal. 

Chisato foi a menina vaidosa e prestativa da equipe. Fazia de tudo pelo bem estar dos amigos. Sua personalidade dependia praticamente de Keichiro, visto que ela era apaixonada por ele. Ela era como se fosse submissa a ele e vimos isso num episódio em que ela se finge de namorada dele (poderia ter sido qualquer um dos outros 3, mas ela foi especificamente nele). Seu ápice foi quando ela luta lado a lado do seu amado num dos episódios finais. 

Agora, o melhor personagem e que sofreu com a maior mudança de personalidade durante a série foi Shun. No início, Shun era um personagem egoísta, arrogante e que gostava de viver isolado. A medida que os episódios foram avançando, Shun foi tendo sua personalidade mudada. A convivência diária com seus amigos fez com que Shun perdesse sua amargura e se tornasse uma pessoa mais amiga, companheira e, principalmente, alegre. 

Uma coisa que achei interessante em Megaranger foi o mistério envolvendo o sinuoso Dr. Hineller. Esse foi um dos poucos grupos de vilões de sentais (Nezirezia) onde não se teve disputa para saber quem era o melhor dos bandidos até o final da série. Vimos que Shibolena, Yugande, Bibidevil e até mesmo, o traiçoeiro Guiltter (até a sua participação terminar), eram submissos as ambições de Hineller. Ele tinha um imenso segredo que fez com que ele se interligasse com nossos heróis (indiretamente)  que vai se revelando no decorrer da série. E já posso dizer uma coisa: Dr. Hineller é um vilão mau, mas, MUITO mau. Aliás, na minha MAIS modesta opinião, esse foi o vilão mais inescrupuloso que já vi num sentai. Ele usava de sutileza e não media esforço para realizar seus intentos. Apesar das maldades dos vilões, eles não eram necessariamente fortes. Yugande, por exemplo, foi derrotado e explodido três vezes pelos heróis. O que deu mais trabalho para os heróis foram justamente o grupo do mal formado pelos Neziranger. Aliás, achei isso uma tacada genial: criar um sentai do mal. Só achei a participação deles rápida demais. Devia ser mais explorado, assim como achei que Guillter deveria também ser mais explorado. E adoraria ver o pequeno Bibidevil tendo uma morte bacana, tipo, ele sofresse uma mutação e virasse um monstro gigante.

Uma coisa que achei legal a respeito desse sentai é que os heróis desse sentai são um dos mais humanos que existem. Eles possuem um lado humano e seus defeitos são explorados para que eles pudessem crescer. Afinal, eles são jovens. Estão no esplendor da juventude. Ou seja, eles terão suas personalidades moldadas para seguir um novo padrão de vida. No caso, o de serem super-heróis e ter que esconder isso de familiares e amigos. No final, o que eles tem como pagamento? Bem.... vou deixar vocês descobrirem. Por falar em familiares, achei legal esse lado em exibirem os familiares dos meninos. Com exceção de Shun, os outros quatro tiveram seus familiares mostrados ou citados. Isso foi um diferencial dos outros sentais. E vale salientar também a maravilha que foram as lutas dos mechas. Dos sentais que eu vi até o presente momento, Megaranger é o sentai que possui as lutas dos mechas com o monstro gigante do dia mais longa até o presente momento. Ou seja, foi algo bacana de ser ver! Deu mais emoção aos combates! 

Concluo essa análise dizendo que Megaranger é uma série que vale MUITO a pena assistir, gravar e guardar num DVD para assistir sempre que quiser. Uma série que você vai se identificar com pelo menos um personagem e ver que nossos heróis são, antes de mais nada, humanos, que sofrem, chora, se machucam entre outas coisas que faz com que eles sejam apenas HUMANOS. Enfim, são verdadeiros heróis. SOLDIERS! CHEER UP!

Ressha Sentai ToQger: Episódio 22

By : Clock Up
Oh Grita... o que fizeram com você?

Confira o desenrolar surpreendente da trama envolvendo o casamento de Grita e do Imperador das Trevas neste episódio cheio de ação! 
Tenha a clara impressão de que o ritmo das coisas sofrerá uma mudança drástica a partir desse episódio.

Cheers!

Himitsu Sentai Goranger: Episódio 28

By : Clock Up
Melhor nem responder...

Neste episódio temos a chance de conferir como o AkaRanger tem muito bom-senso na hora de se disfarçar...

Como não tenho muito o que falar sobre ele, vou aproveitar pra mandar um grande abraço para a nossa amiga Marina que nos avisou sobre uns probleminhas com o lançamento em mp4 de dois dos nossos episódios. Pode ficar sossegada que dessa vez eu conferi direitinho, Marina!
Descuplem a burrice falta de atenção...

Cheers!

Membro Novo.

By : RodrigoPatoDonald
Ola, bacanudos e bacanudas do meu amado blog. Tudo bem com vocês?? Venho por meio desta expressar a minha extrema alegria apresentar um novo membro para a nossa equipe. Esse é o DJ Akira, que vai ficar responsável pela parte de tradução. Ele possui um programa que toca temas de animes na radio virtual Branime (Toda quarta, das 15 as 17 horas) e estamos muitos contentes com a presença dele na nossa equipe. Seja bem-vindo, Akira-kun. :)


Tag : , ,

Himitsu Sentai Goranger: Episódio 27

By : Clock Up
Permissão para matar...

Mais um incrível episódio focado na agente 007, que diga-se de passagem , é uma das personagens mais interessantes da série! E cada vez mais, a Cruz Negra se prova uma organização inescrupulosa e eficiente ao tentar alcançar seus objetivos nefastos.

Cheers!

Ressha Sentai ToQger: Episódio 20!

By : Clock Up
Condutor e Ticket fazendo um bico como figurantes de Shinkenger...

Yay! Continuando nosso péssimo hábito de postar coisas de madrugada, aqui está a Estação 20!
Boa diversão e boas gargalhadas (ou não...)!

Cheers!

Boogaloo Elétrico: 100 Anos Depois

By : Yuko G.


Boa noite a todos, é com muito prazer que estamos lançado aqui no blog o novo filme dos Kyoryugers. Divirtam-se!

Agradecimentos a Over-Time subs pelo raw e script em inglês.

Ficha Técnica

Título: Zyuden Sentai Kyoryuger Retornam: 100 Anos Depois
帰ってきた獣電戦隊キョウリュウジャー 100 YEARS AFTER Kaettekita Jūden Sentai Kyōryūjā Handoreddo Iyāzu Afutā )
Ano: 2014
Produtora: Toei Company
Script em Inglês: Over-Time
Tradução: Clock Up
Edição: Yuko

Review do Tio Donald: Hurricanger

By : RodrigoPatoDonald
Hurricanger: Quando as Sombras agem para o Bem!


Em uma semana, eu concluí Ninpuu Sentai Hurricanger. Foram aventuras de tirar o fôlego numa jornada incrível de 6 dias. Hurricanger é uma série que te prende. Talvez seja porque ficamos envolvidos com uma trama que abrange um pouco do universo da cultura japonesa. 

Na verdade, o que eu vi em Hurricanger foi uma fusão de dois sentais anteriores: Liveman e Kakuranger. Talvez eu esteja sendo precipitado em dizer isso, mas, vi claramente elementos de Liveman e Kakuranger nessa série. Por quê? Bem... Vamos analisar o que eu vi desses dois sentais em Hurricanger. De Kakuranger, eu percebi a presença dos elementos da cultura japonesa. Vimos uma trilha sonora com instrumentos tradicionais em suas melodias, figurinos baseados no universo japonês, código de honra e conduta do universo dos ninjas, enfim, essas coisas que encontramos em Kakuranger e que encontramos em Hurricanger. De Liveman, o que vemos é o uso da tecnologia espacial a favor dos ninjas (tanto os do bem como os do mal), a formação e construção do time de heróis (no início com 2 homens e 1 mulher e com as mesmas cores e símbolos de Liveman e depois chegam mais dois homens) e com mechas com os mesmos animais da série de 1988. Agora, peguem os elementos dessas duas séries e fundem-na. O que é que dá? Sim! Hurricanger! E ainda mais com um roteiro que consegue alternar entre a tensão e a forte carga dramática com a leveza e um saudável humor. O que são características dos dois sentais mencionados.

Apesar de Hurricanger possuir elementos de dois sentais, mesmo assim, ele consegue ser original. Uma trama cheia de mistérios que é levada com bom humor e que te prende. Com personagens bons, não se sabe qual podemos escolher para ser o seu favorito. Confesso que, de todos os personagens, o meu favorito é a Oboro. Ela é uma personagem que diverte e que nos inspira. Uma personagem que possui um azar incrível, mas, que mesmo assim, é positiva e leva a vida com bom humor. Outro personagem que eu gostei muito foi o simpático (mas, malévolo) Satorakura. O estilo dele é incrível. Ele é um vilão poderoso (e ele sabe disso), mas, leva tudo com bom humor e isso acaba me divertindo. Do time dos heróis, destaco o amargurado Ikkou, que, de vilão no início, se tornou um honrado herói no final. E ele foi o personagem que mais sofreu durante a série, tanto fisicamente como mentalmente. E isso fez com que eu me simpatizasse e muito com ele. Mesmo a série tendo personagens bons, ela peca com alguns, como, por exemplo, a sem-sal da Furajibo, que não vi NENHUMA utilidade importante para ela durante a série, a não ser bancar a criança mimada.

Uma das melhores coisas de Hurricanger e que me hipnotizou profundamente foi a trilha sonora, tanto nas canções como nas BGMs. As BGMs então foram um charme a parte, visto que eu curti a mistura de instrumentos tradicionais japoneses com instrumentos modernos ocidentais, dando uma boa mescla que faz a trilha sonora ser algo agradável de ouvir. Para ser honesto, eu gostei das BGMs porque me lembrou e MUITO a trilha sonora dos games Samurai Spirits e Ninja Masters (ambas da SNK). E isso me encantou.

Enfim, Hurricanger é uma série que tem bons elementos para quem gosta de elementos da cultura japonesa. Uma coisa legal também é a quantidade exorbitante de golpes que os personagens soltam. Não via personagens soltando golpes e magias desde Dairanger. Alguns golpes dos nossos heróis lembram e MUITO golpes de personagens de games da SNK (vão me dizer que vocês, que já jogaram TKOF, nunca reparam o especial da Yuri Sakazaki, o Houo Ou Rai Kyaku, sendo aplicado pelo Hurricane Red? Esse foi só um dos muitos exemplos). Não sei se foi proposital essa homenagem, visto que a SNK já homenageou alguns personagens de tokus da Toei em seus personagens, como Jetman, Kamen Rider Black, Changeman e etc. Mas, que essas referências, mesmo que tenham sido inconscientes, ficaram legais, isso ficou!

Apesar dos MUITOS pontos positivos, Hurricanger peca pelo excesso de personagens. São MUITOS (eu disse MUITOS) personagens que foram surgindo no decorrer da série e que jogou para escanteio outros personagens (pelo menos a Furajibu foi destaque só de dois episódios dos 51, o que foi um ponto positivo). Mas, tivemos MUITOS personagens que podiam ser explorados um pouco mais, como Isshu, Oboro, Wendenu, Man Marabu e Kagura Gosen. Outra falha (na MINHA concepção) é  o excesso de CGs nos mechas. Nem em séries posteriores, como Dekaranger e Boukenger, vimos esse excesso de CGs como em Hurricanger e tirou um pouco da naturalidade dos robôs. Outra falha que eu reparei foi nas cenas de ação. Apesar de o ninjutsu ser uma arte marcial bela e popular, as cenas de ação deixaram a desejar um pouco, deixando as coreografias de uma excelente luta para o lado fantasioso, visto que nossos heróis usavam e MUITO as suas respectivas magias (aliás, eles tiveram TANTAS magias que NEM decorei ¼ delas).

Enfim, termino essa review dizendo: assistam Hurricanger. Sem sombras de dúvidas, é um ótimo sentai. Com a quantidade de personagens, a chance de vocês se identificarem com pelo menos um é bem grande. Hurricanger é uma série que vai deixar marcas, principalmente se você gosta da cultura japonesa. Fica a dica. ORE... SANJOU!

Sukeban Deka The Movie legendado: uma parceria Henshin World & Rampage Subs

By : Goggle Red
Sukeban Deka é uma criação original do mangaká Shinji Wada que posteriormente ganhou adaptações em anime e dorama. O dorama teve três temporadas, exibidas pela TV japonesa entre 1985, 86 e 87. Existem ainda filmes e especiais derivados das duas últimas seasons, além de uma releitura moderna, lançada em 2006. Para os que ainda não conhecem a história e querem assistir nosso filme sem maiores confusões, esta descrição que fiz na sequência para as três temporadas do dorama pode vir a ser útil_ além de servir como aperitivo.
A história de Sukeban Deka gira em torno da estudante colegial Saki Asamiya. Tida como delinquente juvenil, Saki atua como agente secreta para uma misteriosa organização conhecida como "O Gabinete"_ cujo líder, Kuraiyami Shirei (ou "Diretor das Trevas", numa tradução livre), é o único personagem em comum a aparecer nas três temporadas do dorama. Portando um iôiô como arma primária, Saki luta movida por anseios pessoais, porém puros o suficiente para que ela nunca ignore os conceitos de justiça e verdade cabíveis a uma heroína.

Tal como o anime, o seriado de 1985 foi bastante fiel ao mangá. Nele, a Saki "original" é assistida pelo agente Jin Koichiro enquanto luta para adiar a execução de sua mãe, condenada por assassinato. Após essas apresentações, a série ganha mais densidade quando entra em sua fase decisiva, a partir do 11º episódio. Daí até o final, a protagonista combate o tráfico de influência das irmãs Mizuchi (Reimi, Aiyumi e Kumi).

Na temporada seguinte do dorama (1986), Saki é sucedida por Yoko Godai, que adota o codinome da sucessora para lutar. Selecionada por Kuraiyami Shirei após árduo treinamento, a garota carrega um surpreendente histórico de vida. Órfã de pai, foi criada pela mãe presa a uma máscara de ferro que adornava toda sua cabeça (a Tekkamen) e que era programada para suprir as necessidades da jovem ao longo de seu crescimento. Com a assistência do agente Nishiwaki, essa nova Saki luta contra as ações do grupo Seirokai e seu líder, Soto. Sua ambição é desvendar suas próprias origens, assim como a de seus pais. A menina ainda conta com a amizade e cooperação de outras duas delinquentes que aderem a sua causa: a meiga Yukino Yajima e a rude Kyoko "Okio" Nakamura.

Inovações ainda mais intensas em relação ao original são vistas na Season III, de 1987_ na minha opinião, a melhor e mais interessante. O trio de sukebans (novidade trazida pela temporada anterior) reaparece na figura das carismáticas irmãs Kazama_ Yui, Yuka e Yuma. Em comum, as três carregam os Bonji, estigmas que revelam misteriosos ideogramas, capazes de ampliar a força da portadora. Técnicas de arte ninja e zen oriental povoam as cenas de ação. Muitas lutas ainda são frequentemente temperadas por rituais mágicos e exemplos de superação pessoal. Na posição de Saki, Yui conta com o apoio de Yoda, seu professor de inglês (inicialmente camuflado por um traje tradicional e uma máscara Hannya) para combater a feitiçaria do Clã Kage, encabeçado por Sho. Há ainda Leya, uma segunda subordinada de Kuraiyami Shirei que assiste as irmãs heroínas ao longo dos 20 primeiros episódios.

O filme que estamos lançando (e que tive a satisfação de legendar) marca a transição da 2ª para a 3ª temporada do dorama. Neste longa, a "Saki" Yoko Godai decide retornar à luta justamente no momento em que ela achava ter conquistado a liberdade que nunca teve e sempre sonhou. E eu acho que é bem a partir daí que a profundidade desta história começa a se manifestar. Até porque, dentre todas as sukebans, Yoko foi a que mais ansiou por viver como uma garota normal_ ainda mais após livrar-se da Tekkamen, fato que deu início a sua saga de espiã.
Há duas cenas em episódios da Season II que refletem perfeitamente esse sonho de Yoko por uma vida normal. Na primeira delas, a jovem brinca com Okio numa loja de roupas, onde prova vários modelos para que a amiga avalie. Na segunda, passeia com dois garotos, que a cortejam e são gentis com ela. Em ambas as situações, Yoko teve sua alegria interrompida pela abordagem sutil de seu agente Nishiwaki_ sempre de prontidão para lembrá-la de suas reais obrigações.
Experiências como essas fizeram desta segunda Saki a melhor sukeban da história. Esta aventura foi sem dúvida seu maior desafio, mas também o último passo antes dela alcançar a vida que sempre quis para si. Para libertar um grupo de jovens de uma fortaleza de torturas conhecida como Castelo Infernal, Yoko lutará mais uma vez ao lado das velhas companheiras Okio e Yukino. A produção ainda serve para apresentar Yui Kazama, a sucessora de Yoko designada pelo Gabinete. Numa excitante prévia para a temporada que se seguiria, Yui se une às outras garotas como um importante reforço para a batalha final de sua senpai. As demais irmãs Kazama_ Yuka e Yuma_ também aparecem, coadjuvando numa pequena ponta do filme.
Eu sou fã incondicional das três seasons do dorama. Suas sucessivas inovações de roteiro chamam tanta atenção que, para mim, só há uma coisa ainda mais legal que isso: a escolha do elenco. Nessas temporadas, todos os papéis principais eram dados a cantoras de grande projeção no universo J-Pop da época. Em 1985, Yuki Saito reinava quase soberana como a primeira Saki, enquanto que outras artistas do mercado fonográfico japonês apenas figuravam em episódios isolados ou como personagens menores. Mas já a partir da Season II tal panorama mudou radicalmente. Com um mínimo de três heroínas por série, mais idols de sucesso ganhariam seu espaço, não apenas para aparecer com frequência como também para contribuir na trilha sonora com seus singles recém-lançados. Só na Season III, por exemplo, foram mais de dez as faixas tocadas, todas divididas entre cinco versões da ending e muitas cenas de luta das irmãs Kazama_ cujas intérpretes assinavam a maioria dos temas musicais.
Neste filme, o trio principal de sukebans é vivido pelas mesmas cantoras/atrizes que figuraram na segunda temporada do dorama: Haruko Sagara como Okio, Akie Yoshizawa como Yukino e Yoko Minamino (ou simplesmente "Nanno" para os fãs) como a "Saki" Yoko Godai. Ao lado delas está também a fantástica Yui Asaka, como Yui Kazama_ esta, no mesmo papel com o qual protagonizaria a season seguinte.
Música principal desta produção, o single "Rakuen no Door" (1987) foi, em minha opinião, o melhor na longa carreira musical da Nanno. Feita com exclusividade para o filme, a faixa (cuja tradução significa "Portal do Paraíso") reflete em sua letra toda a intensidade de sentimento da protagonista rumo a conquista de sua tão almejada vida normal_ sem dúvida, seu próprio paraíso particular.

Título: Sukeban Deka: The Movie (1987)
Produtora:  Toei
Duração: 95 minutos
Tradução: Goggle Red (Henshin World)
Timing e Typesetting: Clock Up (Rampage Subs)

DOWNLOAD MKV (SOFTSUBS) 
DOWNLOAD AVI (HARDSUBS)

Kyoushoku Soukou Guyver - Download

By : Clock Up

Há algum tempo atrás um pessoal andou me perguntando se ficaríamos só nos tokus, ou se também investiríamos em outros tipos de de séries. Na ocasião a resposta foi meio vaga, afinal de contas, o Rampage estava ainda engatinhando.

No entanto, recentemente o incrível Amuro-san (da Animes-Ready) se juntou à nossa equipe. Com a adição de mais um tradutor de jp, nosso leque de possibilidades se expandiu.

Hoje vou postar aqui pra vocês o trabalho de estréia do Amuro-san. Trata-se de um OVA lançado em 1989, baseado no mangá de mesmo nome: Kyoushoku Soukou Guyver (Armadura Bio-Progressiva Guyver).

A trama gira em torno de Fukamachi Sho, um estudante colegial que por acidente acaba se deparando com uma poderosa arma biológica desenvolvida pela fundação Chronos, e adquirindo o poder de se transformar na criatura simbiótica conhecida como Guyver. A vida de Sho e das pessoas à sua volta é virada de cabeça pra baixo conforme a história evolui em rito alucinante, com muita violência e drama.

Para o pessoal que nos acompanha, e que em grande maioria são fãs de tokusatsu, será fácil notar uma boa dose de familiaridade com Kamen Rider. Guyver é um herói que luta uma batalha solitária contra uma super-organização, valendo-se de poderes acidentalmente concedidos pelo mesmo inimigo que ele enfrenta. Isso, somado à forte carga dramática e os esforços do protagonista em não envolver as pessoas amadas em sua batalha, remetem completamente à franquia dos motoqueiros mascarados.

Como vocês podem ver, nosso primeiro anime é um anime bem "tokuesco".
As canções de abertura e encerramento são cantadas pelo fabuloso Shinichi Ishihara, responsável pelas canções de Kamen Rider Agito e Juukou B-Fighter. Eu pessoalmente, gamei na trilha sonora de Guyver. Espero que vocês curtam também!
Finalizo aqui com um grande agradecimento ao Amuro-san por toda a dedicação que ele vem demonstrando à este grupo. 
Grande abraço!

Cheers!

Fica técnica:

Título: Kyoushoku Soukou Guyver (1989)
Produtora:  Bandai
Episódios: 12 (duas temporadas de 6)
Tradução: Amuro-san
Timing: Clock Up
Revisão: Victor-san


 DOWNLOAD 1° TEMPORADA 

Himitsu Sentai Goranger: Episódio 26

By : Clock Up
Agora vou dormir sonhando com essa coisa linda aí em cima...

Um terrível especialista em venenos ameaça o Esquadrão Secerto com suas sete técnicas mortais. Dessa vez, o objetivo da Cruz Negra é por as mãos em uma nova liga de metal super-resistente! 

Cheers!

Ressha Sentai ToQger: Episódio 19

By : Clock Up
*___*

Finalmente dá as caras o mecha pessoal do ToQ #6! E devo dizer que, em termos de design, esse foi o robô que mais me agradou até agora em ToQger. Parece até que o menino foi tirado diretamente de Boukenger.
Divirtam-se!

Cheers!

Review do Tio Donald: Changeman

By : RodrigoPatoDonald

Changeman: Quando nossa infância foi banhada pela energia da Força Terrena!






No dia 28 de Novembro de 1987, as 15 horas, estreava numa tarde de sábado, o Esquadrão Relâmpago Changeman. Para quem estava acostumado com os desenhos da Hanna-Barbera nesse horário, a mudança foi meio chocante. E não tiro a razão. Changeman veio com a proposta de inovar o mercado infanto-juvenil brasileiro de televisão. A proposta foi apresentar a série semanalmente, mas a emissora Manchete não quis. Teve uma pausa de Changeman assim que 1988 chegou. Depois disso, a série re-estreou no dia 22 de Fevereiro de 1988 dentro do Clube da Criança com a apresentadora Angélica, juntamente com a sua parceira Jaspion. O resultado é que o ano de 1988 foi o marco na programação infantil, fazendo com que a porta se abrisse para NOVAS séries.

Por Changeman ter sido a primeira de uma geração, é normal as pessoas terem um certo carinho pela mesma. Hoje eu resolvi assistir SÓ o primeiro episódio para mergulhar de volta para o ano de 1987. Senti uma coisa estranha. Algo invadiu o meu coração. Depois de ter analisado a série friamente, percebi que eu gostava de outros sentais. Na época mesmo, já tinha dito pra mim mesmo que o meu sentai favorito dos quatro exibidos aqui foi Goggle Five. Mas, hoje resolvi encarar Changeman do mesmo modo que encarei em 1987. Ainda me via com sete anos de idade diante das apresentações dos personagens. Afinal, Changeman foi o primeiro. O PRIMEIRO de uma paixão que iria me acompanhar durante anos!

Pelo fato de ter sido o primeiro, hoje eu sou adulto. Pude analisar detalhes que a minha cegueira causada pela nostalgia infantil, me proibia de enxergar. Changeman é uma boa série? Sim! Ela o é! É a MELHOR já lançada até o presente momento? A resposta é óbvia! NÃO! Ela está LONGE de ser o melhor super sentai. Claro que, para os fãs mais fervorosos de tokus que passaram por aqui, "a série é o supra-sumo", "todos os personagens são carismáticos", "trilha sonora que empolga" e entre outras desculpas que vemos ser usadas pelos mesmos fãs fervorosos. Changeman é uma série que teve seus momentos bons, não nego! Mas, devemos analisar friamente sem os olhos de uma criança que ficava hipnotizada na frente da TV. E assim é com Changeman.

A história base é o seguinte. Existe um grupo de extra-terrestres chamado Gozma que viajam pelo universo conquistando e dominando sobre vários planetas. Quando se deparam com o nosso amado planetinha (leia-se Japão), cinco militares são banhados por uma estranha força vinda da Terra e são convocados pela mesma (oi?) para se tornarem Changeman e expulsarem Gozma do nosso planeta. Eles acabam sendo subordinados do Sargento Ibuki, que guarda um enorme segredo envolvendo Gozma. A medida que os episódios vão aumentando, novos monstros e inimigos vão surgindo.

Depois que ficamos velhos e começamos a assistir a série com novos olhos, percebemos que a série vai ficando cansativa no roteiro. A ingressão de novos personagens (como Nana, que, apesar de ser importante, se mostrou que atrapalhava mais do que ajudava, temos também Zooler, a esposa de Gatta e seu filho Wallaji, que se mostraram um porre) deixou a série perdida. A série deu uma melhorada com a ingressão de Ahames e os episódios em que ela protagonizava. Tivemos momentos épicos, como por exemplo, Ahames se banhando pela primeira Aura Energética, a destruição de cada um dos três do Trio Monstro, a ressurreição de Giluke e a mais marcante de todas, a morte de Buuba. Mas teve uns momentos complicados de se engolir, como o monstro que devorava doces, a busca da borboleta dourada e escutar Oozora cantando "Atirei o Pau no Gato", além de um final broxante e sem emoção nenhuma (talvez para os fãs mais devotos, foi um final satisfatório, mas, será que foi mesmo?). Aliás, a série pecou pela construção óbvia de tipos rotulados de personagens, que, em muitos casos, forçaram para ser desse jeito. Vamos pegar um exemplo: o Oozora. É um guerreiro valoroso? É! Mas a tentativa forçada de deixá-lo engraçado, com piadas infames e sem graça atrapalhou a construção do mesmo, deixando-o caricato demais, perdendo a oportunidade de deixar o herói mais natural. E outro ponto que eu acho que a série pecou foi na construção do Red. Um herói precisa passar um exemplo de superação. Um herói que erra, que necessita aprender mais do que ensinar. O que vimos em Tsuruji foi um Red "PERFEITO" demais. Um herói "certinho". Quando eu pensei que ele fosse dar uma melhorada no episódio 5 (O Misterioso Cristal X) quando ele desafia a ordem dos superiores e resgata Oozora, ele passa a série toda sendo o "moço perfeito que não erra". Ali, Hayate é o que mais tinha postura de Red, pois ele era impulsivo, errava MUITO (principalmente quando tinha um rabo de saia no meio) e aprendia com seus erros, mostrando que era um ótimo herói. Sayaka também foi outra personagem MUITO bem explorada e com um bom desenvolvimento de caráter, ao abrir mão de seus desejos para satisfazer os desejos do outro, se tornando uma ótima heroína.

Changeman foi um marco. Vimos nele, uma temática de evolução no roteiro, no sentido de que sai o cenário terrestre e viva a descoberta da Natureza Espacial, tornando uma série mais abrangente para o universo mundial, ao invés de ficar restrito a um nicho de público. Outra coisa bacana é que foi a ÚLTIMA série da franquia a usar ilustrações de personagens na seção de "intervalos". Ou seja, foi algo bem feito. Se não me falha a memória, foi o primeiro sentai a ter dois especiais de cinema. A trilha sonora é fraca. Claro que, para os fãs fervorosos, a série possui a melhor trilha da franquia. Afinal, não tem como tirar a imagem afetiva que a série nos proporciona da cabeça e sair apontando falhas nela como se fosse algo fácil de se fazer, quando, na verdade, ela NÃO o é! Muito pelo contrário! É MUITO, mas, MUITO difícil alguém apontar as falhas numa série que marcou toda uma geração e um alguém qualquer como eu, chegar assim de repente e dizer "que a série está cheia de falhas" chega até ser cruel e posso ser até mal-falado. Mas, é bom deixar claro que, ao MEU ver, segundo o MEU gosto pessoal, a trilha sonora de Changeman é chata e mal-arranjada. Não consigo me empolgar com a abertura, por exemplo. Quando começo a assistir a série, eu vou logo pulando a abertura para ir direto para o episódio. Mas, confesso que ADORO o tema de encerramento. O encerramento é contagiante e me motivava a assistir mais e mais episódios. Ah, não podemos negar também a falha nos efeitos especiais, que só foi melhorada com o lançamento de Flashman. Desde a morte do monstro Guitan do Trio Monstro, dá para ver que, TODOS os monstros destruídos pela Power Bazooka eram feitos pelo mesmo gesso e explodidos.

Mas, como lhes falei, a série é boa, mas está LONGE de ser a melhor! Existe outras melhores para se conhecerem. Mas, vale pela nostalgia e pela magia de voltarmos ao ano de 1987 pra cada episódio que assistimos atualmente. Ou seja, NEVER STOP! CHANGEMAN!

Himitsu Sentai Goranger: Episódio 25

By : Charles William Krüger
Olá, amigos.

Sou o Fanboy, o mais novo integrante da equipe do Rampage Subs. Quero começar agradecendo imensamente, e em nome de meus colegas, o apoio de todos durante esta fase de transição pelo qual passamos nos últimos dias. Muito obrigado a todos pelo apoio e confiança.

E em resposta a todo esse apoio, trazemos mais um episódio de Goranger, aquele que, como vocês já sabem, foi o primeiro Sentai da história.

O episódio 25 é bombástico - vocês vão entender quando assistirem.

Divirtam-se e continuem nos apoiando. Nós continuaremos com a missão de trazer ao nosso idioma essas séries que tanto amamos.


Não é fácil traduzir o que este cidadão fala...

NOVIDADES!!

By : Aka - Ticket
Boa tarde povão!

Nessa tarde de quinta feira tenho algumas novidades pra vocês todos.

Primeiro: 
Nosso blog está assumindo a frente de um projeto muito grande no qual estamos traduzindo GORANGER do JP para PT. Big deal, né? Depois de um sufoco que passamos com a Bad Apple ter sumido do mapa corremos atrás de um tradutor de JP e, por incrível que pareça, minha namorada aceitou o trabalho. Então ela e alguns outros membros estão se esforçando para traduzir tudo e trazer pro nosso blog!

Segundo:
Como disse acima, minha namorada está traduzindo junto com o Charles Krüger, então nada mais justo do que apresenta-la com seu nome de tradutora =D
Seja bem vinda, Luxiferia!

Terceiro:
Quanto às alianças. Estamos com os Sentais saindo mais rápido do que vocês assistem (sqn xD) então decidimos fazer mais propaganda do blog. Eu fiz contato essa semana com o pessoal da Aliança Project para ver se algum tipo de parceria poderia ser feito. A aliança foi negada, eles estão com muita carga de animes e pessoal e não tem como aceitar isso agora. Mas quando menos esperávamos apareceu o nosso querido Kevin, da PMLG, aceitou fazer uma parceria conosco, e seguir com o projeto do GORANGER.


UFA! Acho que cumpri minha parte com as novidades por hoje =D

Ate o fim do dia Goranger 25 sai quentinho pra todo mundo. E semana que vem tem mais novidades.
Fiquem no aguardo

Ticket!
Tag : , ,

Ressha Sentai ToQger: Episódio 18

By : Clock Up
Tá vendo? Pra quem gosta de ficar teimando...

Discórdia na equipe, desconfiança, vilões tramando uns contra os outros... Esse episódio tá parecendo mais Jetman do que ToQger... xD
Dando sequência ao aparecimento do ToQ Rokugou, dessa vez o Esquadrão Expresso terá que enfrentar um inimigo com uma habilidade extremamente inusitada. Assistam e confiram!

Cheers!

Vocês querem a má ou a boa primeiro?

By : Clock Up
Ok, vou começar pela má notícia então —

A galera que nos acompanha já deve ter percebido que já faz um tempinho que não postamos novos episódios de Himitsu Sentai Goranger. Acredito que vocês mereçam um esclarecimento sobre tudo o que vem acontecendo ao longo dessa última semana, que até agora foi a mais caótica desde a fundação desse fansub.
Tudo começou quando o Daita Oiwa, líder do Bad Apple Fansubs decidiu, de uma hora para outra, que não deveriam mais continuar lançando Goranger. Para quem não sabe, o Bad Apple é responsável pela legendagem da série em inglês e tínhamos uma parceria na qual eles nos permitiram traduzir seu material para nossa língua portuguesa — vocês podem notar o créditos em nossos episódios.
Segundo o próprio Oiwa, em um post feito no fórum Toku Nation, ele estaria cancelando o projeto e fechando o fansub devido à "falta de ajuda e interesse dos membros da equipe" e ainda disse que eles "não estavam conseguindo lançar os episódios no ritmo desejado". 
Porém, creio que todos aqui concordam que 5 episódios por semana é uma média muito acima do normal... de fato, é mais rápido do que qualquer outro fansub! Sem contar, que exatamente uma semana antes do ocorrido, nós aqui do Rampage oferecemos toda ajuda necessária ao Daita, mas ele recusou educadamente.
Em vista desses fatos, nós ficamos até agora sem compreender o real motivo da morte do Bad Apple... Só podemos expressar a nossa tristeza e frustração, pois eles foram o fansub que havia chegado mais longe até agora na legendagem do primeiro sentai da história.
Até agora...

A boa notícia —

Com a dissolução do Bad Apple, um grande número de fãs que contavam com finalmente assistir o final de Goranger ficaram desamparados. Nossa reação foi nos mobilizarmos imediatamente e, assim, começamos a procurar pelos membros remanescentes do Bad Apple que ainda estariam dispostos a continuar legendando a série. Nossa busca nos levou até o PikaMaster 11, responsável pelo QC de Goranger. Decidimos então, firmar uma parceria entre o Rampage e o PMLG, que é o fansub liderado pelo próprio PikaMaster 11. Nosso objetivo: retomar o projeto do Bad Apple e levar as aventuras do Esquadrão Secreto até o final. Porém, só nos faltava uma coisinha: um tradutor!
Antes de mais nada, é importante lembrar que estamos tratando de uma série com quase 40 anos de idade. O áudio é ruim, os jargões são velhos e caíram em desuso no japonês moderno, e para completar, ainda temos personagens com sotaque arrastado e que fala um dialeto todo próprio (no caso, o KiRanger). Realmente, encontrar um tradutor disposto a tomar a iniciativa e encarar Goranger, foi um processo árduo. 
Quem salvou a nossa pele, foi um velho conhecido do pessoal do THC: Charles Krüger.
Além de ser administrador do THC ele também é conhecido como autor independente de romances de fantasia e pelo fanfic semanal "Jacohrangers" — vocês podem checar um pouco do trabalho dele aqui e aqui. Sem contar que também é um grande fã das Kamen Rider Girls... XD
Krüger-san foi muito gentil ao concordar em ingressar no Rampage como tradutor. Ele estará traduzindo os episódios restantes de Goranger e também será auxiliado por mais dois membros: o Cap Nascimento, e a Aline (sim, estivemos recrutando ultimamente...)
Ou seja, Goranger estará de volta com força total muito em breve. Dessa vez, estaremos lançando simultaneamente os episódios em português e em inglês, sob o nome do PMLG. Vocês podem conferir o blog deles aqui.

Neste exato momento, estamos arrumando a casa. Aguardem pacientemente, que estaremos de volta em breve!

Cheers!

Reviews do Tio Donald: Kamen Rider Den-O

By : RodrigoPatoDonald
Kamen Rider Den-O: Os dramas e sofrimentos do passado encarados com bom humor!



Terminei de ver Den-o nesse domingo depois de uma sequência alucinante dos episódios finais! Den-O é uma série que também é divisoras de água: ou você ama ou você a odeia! Tudo por causa de um detalhe presente na série: HUMOR! Aliás, não é bem humor, mas "humor". 

Por que o "humor" está entre aspas? Bem, precisamos analisar com grande seriedade, qual foi a proposta da série. Den-o tem como premissa, criaturas chamadas Imagins que viajam no passado de suas vítimas para resolver um problema na vida particular das mesmas, tudo para manter o fluxo do tempo correndo da maneira correta. Para não permitir que os Imagins causem distúrbios no passado e assim, no tempo, Den-o é convocado pelo Owner e recebe uma passagem para vagar no tempo através do Denliner e destruir os Imagins.

O que vemos em Den-o é o seguinte: DRAMA! Muito DRAMA! É aí que entra o "humor" da série! Se não fosse por isso, a série seria a MAIS dramática de toda franquia, visto o modo como os dramas pessoais das vítimas e dos personagens principais são explorados. E, por causa desse EXCESSO de drama, era necessário fazer alguma coisa para contrabalancear com isso, e a saída escolhida foi o humor! Mas, não é qualquer humor que vemos em Den-O. Mas, um humor leve, juvenil e pudico! Todos os personagens protagonizam cena de humor! Mas, todos os personagens também protagonizam cenas dramáticas, que mexem com o nosso âmago! E é assim que Den-o foi me conquistando! 

O que vimos em Den-o foi uma das tramas mais misteriosas da franquia, dos que eu conheci, claro! Aparentemente, está no mesmo nível que tramas como Agito e até mesmo superior a Faiz. Esquecendo o humor que fez muita gente desprezar a série, se vocês encararem o lado sério da série, verão uma trama misteriosa, onde é resolvida no episódio final da série. Coisa que séries como Faiz já tinha toda a trama resolvida no episódio 35 e teve seus episódios finais só para dar um fim aos personagens, tornando a série monótona nos episódios finais! Mas, em Den-o, muitas coisas foram (bem) resolvidas no episódio final, o que a torna especial. Independente do humor, que pode causar um certo desconforto nas pessoas acostumadas com tramas sombrias como em Faiz e Agito, Den-o conseguiu cumprir seu objetivo com um roteiro bem construído, sem furos. Aliás, junto com Blade, Den-o possui uma das tramas mais completas da franquia. Talvez seja por isso que a fez ser tão popular na família japonesa.

Todos os personagens são bons. Aqui, todos os personagens apresentou drama, me fizeram rir, me emocionar e me impressionar. Não sei dizer qual era o meu favorito, embora eu admita que tenho uma queda pela Airi e pela (Ko)Hana. Os personagens tiveram suas diversas facetas bem exploradas. Você se sente atraído por cada personagem. Se identifica pelo menos com um. Se você é infantil, temperamental, mentiroso, rústico, avoada, rígida, sensível, sim... vai ter personagens para todos os gostos. 

Uma coisa que acho legal é a versatilidade de Sato Takeru. Dentro da série, ele interpretou praticamente 7 personagens (Ryutaro, Momotaros, Urataros, Kintaros, Ryuutaros, Deneb e Sieg). Sim! No decorrer da série, vimos Sato interpretando esses sete personagens. Como cada um possui uma personalidade e ver Sato dando vida para esses sete é uma coisa única. Ele conseguiu veracidade em cada uma dessas personalidades, o que fez com que Sato se tornasse um ator bem consagrado e querido no Japão. Ainda bem que ele foi aceito para ser o Kenshin Himura do live-action de Kenshin. Ficou perfeito. E ele também é um bom coreógrafo, visto que existem muitas cenas dele lutando destransformado, além de dançar muito.

Ah... uma coisa que acho legal em Den-o é que o time do elenco feminino é um dos mais belos que já vi na franquia, tanto no time do trio feminino principal (Airi, Hana e Naomi) como das convidadas. E todos os atores e convidados foram bem explorados e bem escolhidos. Vemos também rostos conhecidos em Den-o, como o Deka Blue e o pai de um dos meninos de Patrine. 

Agora, vamos voltar ao assunto que incomoda muita gente: o Humor presente! Praticamente, em QUALQUER série toku, de QUALQUER época, sempre vamos nos deparar com algum humor. Até mesmo o cultuado Garo tem alguns episódios dedicados ao humor (muitas vezes protagonizado pela doce e atrapalhada Kaoru). Algumas séries tem demais e outras de menos. No caso de Den-o, o humor foi necessário para quebrar o excesso de dramaticidade do roteiro. Se não fosse pelo humor, o excesso de drama transformaria a série monótona. Ou seja, foi aí que o roteirista de Den-o teve uma tacada de mestre. Usar o humor para AMENIZAR os dramas dos personagens. Isso foi bom para a série? Não! Não foi bom! Afinal, esse humor ajudou a fazer com que fãs brasileiros torcessem o nariz para a série! Mas isso faz a série ser ruim? LONGE disso! O que fez a audiência de Den-o ser uma das maiores e o sucesso da mesma nas vendagens foram as popularidades dos personagens que tiveram em suas características, situações próximas do cotidiano do povo japonês. Afinal, qual ser humano NORMAL não passa por um "bom" dia de azar em sua vida? Sim, caros jovens! Até o presente momento, Ryutarou é o rider mais próximo de um ser humano normal japonês. Ele é um cara que passa por muitas dificuldades na vida, muitas vezes, impulsionadas pelo seu azar. Mas, a medida que os episódios vão avançando, o seu relacionamento com os Imagins vai fazendo com que ele amadureça e, pelo menos, TENTAR mudar o seu proceder, até se tornar um guerreiro honrado no final. Eu admito que eu gosto desse tipo de herói. Ryutarou sabia que não pode mudar as pessoas e o mundo, mas pelo menos, ele se esforçava para ser um bom herói. E NÃO decepcionou. Ele se esforçou e conseguiu superar! E é isso que tornou Den-O legal! Ryutarou sabia que tinha seus limites, mas, se esforçava para ser uma pessoa que tinha que dar um exemplo. Em outras palavras, Ryutarou foi um exemplo de superação! E, podem me matar, me julgar, me bater e me apedrejar, mas, confesso que chorei com o último episódio de Den-O! Chorei MUITO!! 

Repito: Den-o é uma série de drama que TEM humor! Não é uma série de humor! O herói é bom e foi o mais próximo possível de um ser humano normal. Um herói que passa dificuldades, que tenta superar seus defeitos e que tenta fazer o que é direito pelo bem estar do próximo, mesmo as custas do seu sacrifício. Enfim, se um cara que coloca os interesses daqueles que ele ama acima dos seus não pode ser chamado de herói, com sinceridade, não sei o que é ser herói. Enfim... clímax jump!

- Copyright © Rampage Subs - Rampage Subs - Powered by Blogger - -